Através de uma reportagem da TVI, ficou a conhecer-se a promiscuidade existente entre a Câmara Municipal de Loures — comunista — e o partido que a dirige. Apesar do chorrilho habitual de asneiras, os comunistas envolvidos no esquema (que tentam lançar-nos poeira aos olhos), não conseguem negar os factos do favorecimento e muito menos abafar as evidências dos favores prestados ao genro do líder do PCP.

Jorge Bernardino, casado com Marília de Sousa, filha do secretário-geral do PCP, celebrou com a Câmara Municipal de Loures um total de seis contratos desde 2015, por serviços como limpezas de vidros, trocas de cartazes ou substituição de lâmpadas — serviços para os quais aquele ex-talhante e trabalhador de supermercado não tinha experiência anterior. Os contratos foram celebrados depois de Jorge Bernardino ter estado desempregado perto de três anos.

Nos últimos meses de 2018, Jorge Bernardino chegou a facturar 11 mil euros por mês pelos serviços prestados à autarquia comunista de Loures. Em Outubro de 2018, recebeu essa quantia por ter mudado oito lâmpadas e dois casquilhos. E, em Novembro, recebeu os mesmos 11 mil euros por efectuar a mudança de 10 lâmpadas e a substituição de 160 cartazes publicitários.

O genro de Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, conseguiu cinco contratos por ajuste directo e ainda outro, em 2018, por consulta prévia da Câmara Municipal de Loures, liderada pelo comunista Bernardino Soares.

E, ao contrário do que disse o referido autarca “vermelho”, que os contratos tinham sido feitos em nome de uma empresa, a verdade é que todos eles foram registados com o nome de Jorge Bernardino, o seu número de contribuinte pessoal e a sua morada de residência. Ao todo, Jorge Bernardino recebeu cerca de 150 mil euros… para mudar lâmpadas e casquilhos, lavar vidros e trocar cartazes publicitários.

Portugal de Abril no seu melhor…